Oficina Déco reaproveita materiais recicláveis para organizar estoque

17 dez, 2012 por

Oficina Déco reaproveita materiais recicláveis para organizar estoque

 

Maria Julieta mostra a prateleira elaborada com caixas de papelao

A tradicional Oficina Déco, que completa 50 anos de trabalho no próximo ano, tem investido constantemente na modernização da empresa, desde a gestão de estoque, à contratação de um profissional de assessoria em comunicação e marketing e na elaboração de um novo conceito da logomarca Déco. Outra aposta é firmar a imagem de empresa com responsabilidade socioambiental. O reaproveitamento de materiais recicláveis e a destinação correta dos resíduos descartados são tarefa padrão no dia a dia dos quatro sócios e dos cerca de 25 colaboradores da empresa.

“Há muitos anos separamos o lixo produzido e encaminhamos a empresas responsáveis e apropriadas. De um ano para cá demos mais atenção à gestão de estoque, organizamos um mapa do layout das peças por prateleiras, facilitando a identificação”, explica Maria Julieta da Cunha Nau, uma das sócias. A empresária conta que não precisou investir financeiramente para organizar o setor. “Vi que poderia aproveitar muitos materiais, pois temos uma riqueza no lixo, como garrafas pets e até mesmo as embalagens das peças que compramos. Tudo é reaproveitável”, destaca.

A oficina também reutiliza boninas de papel para armazenamento de flexíveis de freio, garrafas pet para armazenar peças miúdas, caixas de papelão são transformadas em gôndolas para guardar kits de injeção eletrônica, entre outros exemplos. Os resíduos provenientes da troca de óleo também recebem atenção especial. “As garrafas de óleos ficam de cabeça para baixo, a fim de que todo o óleo escorra. Quando limpas, elas são reaproveitadas para armazenamento de querosene e tíner, que usamos para lavar os motores”, conta o sócio e criador do equipamento, Paulo César da Cunha.

Consciência e criatividade

Os materiais recicláveis são reaproveitados em todos os departamentos da Oficina Déco, no estoque, na oficina e no escritório. O papel ofício, por exemplo, quando descartado, é usado para impressão de rascunho. As caixas de papelão são usadas como tapetes. “Quando olhamos uma caixa pensamos nas possibilidades, no que ela pode ser transformada. É essa conscientização e criatividade que queremos repassar as outras empresas”, conta a sócia Maria Julieta.

Produtos descartados como carcaças de baterias de veículos, materiais altamente poluidores, retornam para os fornecedores. Os papelões e plásticos são recolhidos por catadores da cidade, já o óleo por empresas credenciadas à ANP (Agência Nacional do Petróleo). “Além de não descartar esses materiais no lixo e prejudicar o meio ambiente, esse tipo de ação ajuda a economia local, pois envolve outras empresas”, observa a administradora.

Mensagens relacionadas

Compartilhar isso